O sexo das moscas e o da gente

Por: Contardo Calligaris 

"Vários leitores pediram que eu comentasse um artigo da revista 'Cell' (vol.121, de 3/6) que se tornou notícia no mundo inteiro. 

A Folha de 4/6, por exemplo, propôs uma matéria com o título 'Alteração da gene faz mosca hétero virar homossexual'. No sábado passado, Dráuzio Varella, em sua coluna, tratou do mesmo assunto; concordo com suas observações, mas quero acrescentar algumas reflexões. 

O artigo da 'Cell' (disponível on-line em www.cell.com) apresenta uma pesquisa, de Barry Dickson e Ebru Demir, cujos resultados vou resumir. As moscas drosófilas têm um gene (chamado 'fru') que comanda as condutas necessárias para que macho e fêmea se juntem, garantindo a reprodução. Essas condutas consistem, no macho, num ritual ferrenho ('fixed-action pattern'), em que ele encosta a perna, bate as asas, lambe o sexo da fêmea e, se for aceito, copula por 20 minutos. Com isso, a fêmea, com a condição de que não tenha copulado recentemente com outro macho, abre a vagina. 

Dickson e Demir verificaram experimentalmente que o 'fru' é um 'switch-gene', um gene que funciona como um interruptor, produzindo o comportamento sexual masculino ou feminino, seja qual for o fenótipo sexual da mosca em questão. Se o interruptor do 'fru' está para masculino numa mosca fêmea, a dita mosca vai abordar outras fêmeas e praticar o ritual masculino descrito acima. Inversamente, moscas machos com o interruptor em posição feminina ficam à espera de serem abordadas por outros machos. 

Será que, com base nessa pesquisa, é possível chegar a alguma conclusão que valha para os humanos? A resposta é não. 
Drauzio Varella, em seu comentário, concluiu que 'o homem é resultado de uma interação complexa entre o programa genético (...) e o impacto' da experiência e do ambiente. Perfeito. 
Ora, acontece que a imprensa mundial deu destaque ao artigo da 'Cell' porque a pesquisa 'demonstraria' que a escolha do sexo do parceiro é o efeito direto de uma determinação genética. Se isso vale para as moscas, por que não valeria para a gente? Em suma, seríamos heterossexuais ou homossexuais só por causa de um gene. 

Essa idéia agrada a muita gente. Há os que gostam de conceber a homossexualidade como uma malformação genética que poderá ser 'curada'. E há os que acham interessante 'desculpar' a homossexualidade ('afinal, é uma coisa genética'). 

Albert Kinsey, quando se interessou pela variedade do comportamento sexual humano, esqueceu-se das moscas, que eram seu antigo objeto de pesquisa. Ele tinha razão: a experiência de Dickson e Demir não implica nada no campo da sexualidade humana por duas razões fundamentais. 

1) Dickson e Demir constatam que os comportamentos sexuais das moscas são 'essenciais para o sucesso reprodutivo', portanto 'é provável que uma forte pressão seletiva tenha favorecido a evolução de genes que inscrevem ('hardwire') esses comportamentos no cérebro'. Vale para os humanos? 

O comportamento sexual humano não segue nenhum 'fixed action pattern', nenhum ritual fixo: contrariamente aos machos das moscas, que encostam a perna, batem as asas, etc., os homens podem parar de motocicleta na frente do bar, convidar para ver estampas japonesas, oferecer flores, pagar ou 'encoxar' no metrô. A mesma variedade existe do lado das mulheres. Ou seja, nos humanos, não há rituais fixos: a 'pressão seletiva' não produziu um gene que regraria as condutas de acasalamento. 

Além disso, a evolução levou nossa espécie por um caminho oposto ao das moscas e mesmo ao dos outros mamíferos: a atividade sexual, para nós, não é orientada para o sucesso da reprodução. A prova disso não está apenas em nosso uso 'devasso' de camisinhas e anticoncepcionais. Ela está nesta obviedade: a excitação sexual dos humanos não depende da fecundidade da fêmea. Para nós, em algum momento da evolução, a menstruação se dissociou da fecundidade feminina e parece que, desde então, transamos por prazer e nos reproduzimos ao deus-dará. 

2) A ideia de que a escolha do sexo do parceiro (homo ou hétero) seja a bipolaridade essencial dos comportamentos sexuais humanos é, no mínimo, ingênua. 

Talvez porque a evolução nos levou a transar por prazer, a veriedade dos caminhos de nosso desejo sexual escapa a uma descrição pela qual o sexo do parceiro escolhido seria a característica crucial. Um mestre sádico que domina indiferentemente escravos e escravas, é o quê, homo ou hétero? Uma adepta do suingue que só curte o marido com a participação de outra mulher é o quê? Os numerosos adolescentes que, hoje, têm amizades coloridas com parceiros de ambos os sexos são o quê? 

Quem quiser encontrar a determinação genética de nossos comportamentos sexuais pode antecipar a procura de muitos interruptores diferentes. 

Uma descrição da sexualidade humana organizada apenas pelo sexo do parceiro escolhido deixa a compreensão de nossos desejos, literalmente, às moscas". 

Contardo Calligaris 
Fonte: Folha de São Paulo 16 de junho de 2005. (Folha Ilustrada)