O amor de transferência

Por: Dora Bastos

Sintonia
No que, deveras paradoxal é
Um no dois
Do dois, a essência do Um
O mesmo caminho
Percorrido por passos diferentes
Por dizeres e subjetivações únicos
Que tocam no mesmo Norte desatinado:
O Amor
E esbarra com desejos distintos
Que se iniciam e finalizam no mesmo ponto:
O saber
Construído na fala, no que escorre e escapa
E assusta, aliviando o que não cessa de queimar
Construído no fazer silêncio em si,
Mas, que também escapa, em resistências...
A criança, sempre quer brincar, se fazer ouvida e vista
Independente do quão a conhecemos.
A meninice não cessa, assim como a chama
Que nos impulsiona para a vida.
O paradoxo?
A sintonia?
O Amor?
O Saber?
Está lá
Mas não é mensurável
Não é dizível
É criado, gerado e consumido
No instante
Em que o Inconsciente,
Único,
Porém em subjetivações distintas,
Atua
E se faz sentir.

Sobre a autora: Dora Bastos é enfermeira, faz formação em Psicanálise pelo Círculo Psicanalítico de Minas Gerais, é analisanda e mora em Lavras, MG.